sexta-feira, 20 de junho de 2008

A fila minha senhora, a fila...

Um caro amigo meu (e a mulher) teve de ir com o filho de 2 meses ao Hospital da Estefânia porque o bébé tinha batido com a cabeça. A saga começou por encontrar um médico que os atendesse. Depois de conseguirem ser atendidos e de lhes ser dito que o bebé tinha de fazer um raio-x à cabeça e que até lá não poderia nem adormecer, nem ser alimentado, as coisas complicaram-se um pouco. Lá estavam eles à espera de entrar e o bebé que estava cheio de fome e que queria dormir começou a ficar extremamente irrequieto, a chorar desesperado. Os pais só viam entrar outros miúdos para o raio-x, até que entra um rapaz adolescente apenas para fazer um raio-x de rotina ao braço engessado. A mãe foi ter com a enfermeira e colocou a questão de estar com um bebé desesperado e de estar a ver entrar pessoas com menor prioridade. A resposta da enfermeira foi «vocês chegaram depois, há que respeitar a fila». Gosto tanto de ver que mesmo depois do mil e vinte planos técnológicos do senhor Sócrates, não deixamos de ter os serviços públicos dominados por burocratas de merda. O que vale é que alguém se lembrou de meter na lei que grávidas e deficientes passam à frente, mas será que eles sabem disto também? É que uma fila é uma fila.

1 comentário:

provocação disse...

Pena que ao Socrates ninguém diga, as promessas sr. engenheiro... as promessas.....